Os óleos costumam ser reduzidos no momento de perder peso, mas, por outro lado, é inegável que estão presentes. No entanto, nem todo mundo se adapta a sua dieta. Quer saber qual é o melhor que você pode incluir nela? Isso é o que você descobrirá lendo esta nota.

Você é um daqueles que controlam a quantidade de óleo que usa em suas refeições? Está bem, embora, você note que, ultimamente, este não é um produto tão questionado como sabíamos ser a muito tempo atrás. Agora, alguns óleos inclusive gozam de um elevado conceito, devido às suas gorduras benéficas ou seu alto teor de alguma substância em particular.

No momento de incorporá-los a uma dieta, seja ela qual for, deve ir de mãos dadas com a moderação e de preferência crus. Com o calor, sua composição muda e se torna prejudicial, gerando colesterol ruim. E, em excesso, gorduras e calorias demais. Agora veja qual pode chegar a ser o melhor óleo para incluir em sua dieta.

Comparação entre diferentes tipos de óleos comerciais:

Azeite de oliva: conta com um claro predomínio de ácidos graxos monoinsaturados com valores de 75%. Cerca de 15% corresponde aos saturados (aqueles que estão limitados em muitas dietas por serem prejudiciais para o coração), enquanto que os poli-insaturados correspondem a 11%. Estes últimos são o ômega 3 e 6, que de acordo com muitas recomendações, não devem estar desequilibrados entre si. Neste caso, destes 11%, 1% corresponde ao ômega 3 e 10% ao 6.

Óleo de girassol: um óleo com não tantos ácidos graxos monoinsaturados ou potencialmente cardio saudáveis. São 60%, contra 10% dos saturados e 30% dos poli-insaturados, todos correspondentes a ômega-6, o que demonstra um desequilíbrio entre os mesmos.

Óleo de milho: tem uma alta porcentagem de gorduras poli-insaturadas, atingindo quase 55% da sua composição e sendo praticamente todas correspondentes a ômega 6. Por outro lado, os ácidos saturados são 13% e os monoinsaturados resultam em 22%.

Óleo de coco: potencialmente proibido, embora ultimamente seja bastante recomendado – não seria tão prejudicial -, para aqueles que não têm que consumir ácidos graxos saturados, pois 85% da sua composição correspondem a esta classe de lipídios.

Óleo de canola: o que mais conteúdo de ômega 3 tem de todos da tabela, pois cerca de 10 gramas por cada 100 de óleo deste vegetal, correspondente ao ômega 3. Como contra, é um óleo que costuma ser submetido a muitos processos de refinamento. E todos sabemos que isso, hoje, não é algo muito bem visto.

Qual é o melhor óleo para perder peso?

Sem dúvida, o azeite de oliva parece ser uma das melhores opções. Por quê? Porque possui baixo teor de gordura saturada, rico em insaturadas, tem um ponto de calor mais elevado do que o restante (se você desejar cozinhá-lo), não tem um forte desequilíbrio entre ômega 3 e 6 e, também, é o menos refinado de todos eles. Claramente que o não refinado garante mais e melhores nutrientes. Por esta razão, é uma excelente opção para a sua dieta, especialmente se você pretende tomá-lo cru. E, além disso, é o que mais sabor dará aos seus pratos.